Alimentos e Bebidas

Alertas

30/04/2021

Vacinação contra a febre aftosa começa em 1º de maio

Deverão ser vacinados na primeira fase bovinos e bubalinos de todas as idades

Em 1º de maio inicia-se a primeira fase da campanha nacional de vacinação contra a febre aftosa de 2021. Deverão ser vacinados nessa fase bovinos e bubalinos de todas as idades e espera-se que a vacinação seja feita em 170 milhões de animais.

A maioria dos estados brasileiros participará da campanha: ao todo, serão 21 estados. No Amazonas e no Mato Grosso, farão parte apenas os municípios que não suspenderam a vacinação. No Espírito Santo, serão vacinados bovinos e bubalinos com até 24 meses de idade.

COMO PROCEDER

Para a vacinação, as doses deverão ser adquiridas em revendas autorizadas e mantidas em temperatura entre 2 ºC e 8 ºC – desde a aquisição, incluindo o transporte, até o momento da aplicação no animal. Devem ser aplicados 2 ml da vacina na tábua do pescoço do animal. É importante que as agulhas sejam novas e que a aplicação seja feita, de preferência, nas horas mais frescas do dia, para a adequada contenção dos animais.

O QUE FAZER APÓS A VACINAÇÃO

Encerrada a vacinação dos animais, o produtor deverá declará-la ao órgão de defesa sanitária animal do seu estado. Essa declaração poderá ser feita de forma online, preferencialmente, ou nos postos designados pelo serviço veterinário estadual de cada estado, de acordo com os prazos estabelecidos.

Fique por dentro! Confira aqui o calendário de vacinação do seu estado.

CUIDADOS COM A COVID-19

Apesar de as medidas de combate à Covid-19 em diversos estados e municípios ainda estarem em vigor, deverão ser mantidas as atividades relacionadas à imunização de doenças que possam apresentar alto impacto comercial. Entretanto, orienta-se que os produtores adotem medidas que minimizem o contato social ao adquirirem as vacinas. Isso pode ser feito com agendamento da entrega das doses na propriedade rural, no sistema de delivery, quando disponibilizado pelas revendas.


A pandemia da Covid-19 também impactou positivamente os produtores rurais: o locavorismo, conhecido também como local food ou, simplesmente, consumo local, é a prática de comprar alimentos apenas de produtores ou comércios da região, priorizando empreendimentos locais. Essa escolha está relacionada, além da valorização do comércio local, à procura por uma relação de maior equilíbrio com o meio ambiente por meio da alimentação. Saiba mais a respeito no Boletim de Tendências Locavorismo: fortalecendo cadeias locais no consumo de alimentos.



SANTA CATARINA LIVRE DA FEBRE AFTOSA

De acordo com dados do IBGE de 2019, Santa Catarina conta com 4,45 milhões de cabeças de bovinos e mais de 10 mil cabeças de bubalinos. Entretanto, o estado completou em 2020 duas décadas sem vacinar os rebanhos bovinos contra a febre aftosa e foi certificado como zona livre sem vacinação pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) em 2007.

Para manter o status sanitário, em razão de o rebanho bovino e bubalino catarinense não ter qualquer imunidade em relação à febre aftosa, todos os esforços são necessários para que os animais nascidos e criados em Santa Catarina não tenham contato com bovinos ou bubalinos oriundos de outros estados ou países que possam contaminá-los.

As ações para evitar que isso aconteça são realizadas por meio das barreiras fixas e móveis, vistorias nas propriedades, conscientização de toda a sociedade dos riscos apontados e a identificação do rebanho por meio da brincagem. A vacinação dos animais de outros estados, inclusive, colabora para a manutenção desse status em Santa Catarina.



Fontes: Santa Catarina completa 20 anos sem vacinação contra febre aftosa. Canal Rural. 2020. Campanha de vacinação contra febre aftosa começa em 1° de maio. G1. 2021. Febre aftosa: campanha de vacinação começa no dia 1º de maio. Canal Rural. 2021. Febre aftosa: Estado de São Paulo deve vacinar 10,5 milhões de bovídeos até o dia 31 de maio. Portal DBO. 2021.