Esqueceu sua senha?

Não tem problema! Escreva seu CPF no campo abaixo e você receberá um e-mail.

Verifique seu e-mail!

Enviamos um e-mail para: emaildosusuario@mail.com

Ah! Não esqueça de ver sua caixa de spam!

Caso haja algum problema, ligue para 0800 643 0401

Blog do Sebrae/SC

Voltar

Que tal um cafezinho?

PUBLICADO EM 11 de Janeiro de 2016

Você sabia que o Brasil é responsável por um terço do café produzido no mundo? E boa parte dos grãos de qualidade tem se mantido no mercado interno.Isso significa que o brasileiro está procurando pelos grãos especiais, mesmo em tempos de crise. Tanto que o mercado cresceu cerca de 20% nos últimos anos.Para você ter uma ideia, em 2014, o consumo per capita chegou a 6,4 quilos de café torrado – enquanto que, em 2012, esse valor era de 4,98 quilos per capita.
Se você quer empreender em meio ao atual momento econômico ou busca formas lucrativas de expandir o seu negócio, aqui está uma grande oportunidade. Vá além do cafezinho, invista em grãos com maior valor agregado. Enquanto um quilo de café commodity é vendido entre R$ 10 e R$ 25, os especiais saem a valores entre R$ 30 e R$ 100. E podem chegar a muito mais em concursos e leilões internacionais.

sebrae_cafe_graos_especiais

O consumo de grãos especiais

De todo o café consumido no país, 36% é feito fora do lar, o que estimula não somente o surgimento de novas cafeterias especializadas (já são mais de 3,5 mil espalhadas pelo país), mas a qualificação do serviço da bebida em restaurantes, padarias e outros pontos de venda.
Também se percebe nos últimos anos o crescimento do consumo dos cafés em cápsulas: nos últimos 12 meses, elas ganharam mais 50% de mercado. “Mas ainda há muito o que crescer, tendo em vista que esse número ainda representa menos de 1% do consumo total”, afirma o presidente de Associação Brasileira da Indústria do Café, Nathan Herszkowicz.

Capacitação para produzir melhor

Sebrae é parceiro desses agricultores, atuando para capacitar, promover a união entre eles e qualificar os produtos para que conquistem indicações geográficas e certificações como fairtrade, UTZ, Rainforest, que ajudam evidenciar o diferencial dos grãos brasileiros e a atribuir a eles um maior valor de venda.
“Resgatamos a história e agregamos inovação ao café nacional e aos grãos especiais que são cultivados dentro do conceito de sustentabilidade”, afirma o gerente de Agronegócio do Sebrae Nacional, Enio Queijada, lembrando que a instituição ajudou a resgatar a produção do café de qualidade superior onde a cultura havia perdido força, como na região das Matas de Minas, cujo grão era tido como de baixa qualidade, mas que vem revertendo esse cenário com apoio do Sebrae.

 

Comentários


Ver mais comentários

Você precisa estar logado para comentar! Cadastre-se ou faça seu login!